Conversa na Travessa

quinta-feira, junho 30, 2005

Hoje, sem tirar nem por


© S. Harris

Mas acrescentando uma tempestade tropical.

E eu de sandálias.

quarta-feira, junho 29, 2005

Da alma que tosse/da tosse da alma**



O Joao Pedro da Costa deve ser o único blogger Portugues que escreveu duas odes aos Soul Coughing, até 'a data (gosto de temperar certas coisas com dramatismo). Parece-me mal. Parece-me ainda pior nunca ter falado neles aqui, ja' que se trata da banda que me proporcinou o melhor concerto da decada de 90*. Nao, de sempre. (Top 3 +, vá!)

Jazz sem acucar. Foi na Aula Magna. Era o Ano da Graca (cedilha) de 1996.

SUGAR FREE JAZZ Lyrics
Artist: Soul Coughing
Album: Ruby Vroom

Stack wax lie like a placemat
won't lap
or help you at the automat
and it's clear and clean as
sugar free jazz

Schools he bombs, he bombs

Fossilize apostle and I comb it with a rake
you can't escape
you pull out the brake
and it booms as cool as
sugar free jazz


*Agradecimentos ao Ingénua Perversa, por abrir-me os ouvidos (i.e. emprestar-me o Ruby Vroom a 6 horas do concerto comecar. Deu para 3 repeats. Janiiiiiiine)

** [Actualizacao: 3 minutos para posting da' no que da': uma serie de falhas]

Desconfio que a próxima temporada vai ser pródiga em posts.

Alguém: Gosta de Da Weasel?
Eu: Gosto.
Alguém: Que estranho. Normalmente a malta nova é que costuma gostar...
Eu: ???!!!!

terça-feira, junho 28, 2005

Sou da opinião...

...que se devia ter mais coragem para assumir a própria cobardia.

Actualização a 27 de Junho

O barril do petróleo custava 54,26 dólares. Ontem. 27 de Junho.

As desvantagens de trabalhar só com homens.

a) Não tens quem te empreste um penso higiénico.
b) Todo e qualquer sintoma de mau humor é atríbuido a TPM.
c) Deixas de ter quem te recomende um cabeleireiro ou um centro estético ( a não ser que se trabalhe com metrossexuais. Sim, os tais...)
d) Ficas sem saber onde encontrar a última pechincha.
e) Fazem-te perguntas estranhas tais como: " As nódoas de iogurte saem da camisa?". Ao que tu respondes: " Não sei. Mas o barril do petróleo já chegou aos 60 dólares."
f) Ou então ouves umas indirectas como: " Está ali uma pilha de chávenas de café sujas no lava loiça." Ao que tu respondes: " Ai sim? Sabia que o barril do petróleo já chegou aos 60 dólares?"
g) Tentas entabular conversa do género: " Sabia que o barril do petróleo já chegou aos 60 dólares?" e respondem-te " Já só há um rolo de papel higiénico."
f)...já cá volto. Vou actualizar a cotação do barril do petróleo.

O meu momento ONU

Correndo o risco de ser considerada sonsínica*©, capacetes azuis** para o Barnabé já!

*Sempre gostei de palavras compostas por aglutinacao. Esta é brilhante, nova e tao apropriada a uns casos que eu cá sei. Usá-la-ei em certos nichos, se o Rui nao se importar.
**Sou um bocado cynical em relacao ao papel dos capacetes azuis-celeste em certos conflitos.

É oficial!

A imitação é uma coisa tramada.
O meu filho pediu para fazer xixi, sentei-o na sanita e ele disse:
- Agora quero ler o jornal.

segunda-feira, junho 27, 2005

Etnografia* da vida alheia** [Ou ainda, O Meu Momento David Attenborough]


In Post Secret.

Guilty as charged. Por deformacao e como hobby.

* Chamem-lhe etnografia, chamem. Ou etologia, chamem.
**Como se houvesse etnografia que nao fosse da vida alheia. A do Outro.

sexta-feira, junho 24, 2005

Sabedoria infantil (Divulgacao de novos artistas)



Segundo penso ter percebido o Joaozinho (5 anos), um coracao gigante e' um elefante escondido atrás de uma casa.

Nao está nada mal visto.

Tenho um neurónio dedicado ao conceito "Clive Owen". Bip.* {ou O Meu Segundo Momento Teenager}

[Ou ainda: "O que poderiam ter sido as paredes do meu quarto."]


(Isto é Educacao Sentimental. Bip.*)

Clive, deary, bip*, tenho um neurónio todinho para ti, o que nao e' coisa despicienda. Disse-mo a Nature online de ontem, babe. Bip.*
Ate' te perdoo o nariz, pumpkin. Bip.*

"Single brain cells show selective response to specific celebrity photos."

Bip.*

Nunca** me deixaram por posters nas paredes do meu quarto, quando era teen. O problema foi esse. Agora queixem-se.


Bip.* (multiplicado por 6 e meio)

*Bip.* - som resultante de resposta selectiva a fotos de celebridades por parte de um neurónio singular.
**Correccao: em 1989, ainda antes da queda do Muro de Berlim, tive um calendário - edicao Bravo alema - discretamente pendurado numa das paredes do meu quarto. Tinha fotos de caras larocas de jovens actores e cantores e de um ou outro desportista. Ate' eu achava aquilo um coche cheesy. Mas o Matt Biondi, pa', o Matt Biondi era...um g'anda nadador. Bip.*

Da novíssima série " Só coisas que me amofinam"- Chapter I

Your Porn Star Name is: Jenny Jiggles


quinta-feira, junho 23, 2005

Pssssst! Hey, you, jazz head!

[das séries "O Meu Momento..." (episódio IV ou V?) e, mais especificamente, "O Meu Momento de (Simples, mas Sublime) Felicidade do Dia" (II ou III), em cinco partes]

Parte I. Meeting com a boss corre anormalmente bem. Bizarro, mas sei que hoje é o perigeu lunar de junho. A culpa é do perigeu. (Mais um link 'a miúda; ainda vai pensar que sou uma stalker, mas ha' informacoes que tem de ser lincadas. Peremptoriamente.)

Parte II. Descubro e apodero-me de um PC do século XXI, com ligacao a Internet moderadamente veloz. Todinho para mim. O PC. Luxos.

Parte III. Descubro a Torre de Rádio.

Parte IV. Descubro isto. É grátis:



Parte V. Chilling out.

quarta-feira, junho 22, 2005

If you know what I mean!



"This is a very moving moment"
"Yeah, I wish they'd move it to Pittsburgh!"


Palavras para quê?

The ultimate test indeed.

I am Fozzie!
Mas sinto que tenho dentro de mim um Animal. Perceberam o trocadilho? ah-ah! Waka-Waka! Epa', nao me atirem com baby plum tomatoes, que ainda me acertam numa vista, c'orror!


"Ah, that's showbizz!"

"Que marreta sou?" O que voce quis sempre saber e nunca ousou perguntar, aqui.

terça-feira, junho 21, 2005

O meu momento WWF/Edite Estrela


National Punctuation Day


Salvem o apóstrofo!
Salvem a Sociedade Protectora do Apóstrofo!
Salvem também o Projecto Pontuacao!

Eu tenho andado a salvar bués de apóstrofos, nao so' [veem? aqui esta' um; olha, mais outro!] porque tenho um teclado com sotaque (sem cedilhas, nem acentos), mas também [nem imaginam o trabalhao que me da' por acentos] por consciencia ambiental. Crio apóstrofos em cativeiro, para depois serem largados em habitat natural, onde serao bem mais felizes. O meu sonho e' largar alguns dos meus apóstrofos em pequenos ecossistemas, tipo:

Pequeno ecossistema 1) Two Weeks Notice - que bem que se daria aqui o apóstrofo Aparício, nascido em cativeiro, alimentado e amado por mim! [os senhores da Sociedade Protectora do Apóstrofo disseram, ontem, na BBC2, salvo erro, que sim, que se daria bem: Two Weeks' Notice]

Pequeno ecossistema 2) St. Georges Hotel - para aqui mandaria o apóstrofo Apolo: St. George's Hotel

Queria enviar a apóstrofa Apolínea para o Bridget Jones's Diary, mas esse habitat nao comporta mais apóstrofos. Fico, no entanto, 'a espera de, no caso de mais do que uma Bridget Jones escreverem diários, poder mandar para la' a queridíssima Apolínea: The Bridgets Joneses' Diaries. Ou ate' mesmo The Bridgets Joneses' Diary, se resolverem juntar-se num so' diário. Seria bem bom.

Gosto muito dos meus apostrofinhos, mas estou louca por me livrar deles. O', vao-se embora! Va'!

Pergunta

Se alguém envolvido numa relação amorosa, oferece ao(à) seu (sua) amado (a)um tratamento dentário, poderá partir-lhe os dentes no final da relação?


Só coisas que me atormentam!

Então e o azul cueca?



Yac!!!!!









Na!! Nem assim me convencem!!!!

segunda-feira, junho 20, 2005

My feelings exactly


by Melinda

Burn barbies, burn!
Burn pink, burn!
Burn repulsive candy-barbie-bubble-gum-un-ironic-tasteless kind of pink, burn!
Burn, motherfucker, burn!

Quando li o titulo 'Students Censured For Wearing Pink', pensei:

"- Finalmente! Espero que estas medidas estéticas se apliquem ao Reino Unido, uma das nacoes onde o repugnante cor-de-rosa-barbie (isto e', repulsive candy-barbie-bubble-gum-un-ironic-tasteless kind of pink, na sua forma nao abreviada) mais prolifera."

Mas nao, nao era ditadura estética da boa. Era mania da perseguicao:

"(...) Jane Garland, spokeswoman for the Newport-Mesa Unified School District, said the six students were also wearing black shoes, pink-and-black armbands and pink socks.

"The color pink itself is not a problem with us. We like the color pink," she said. "But pink and black together ... are known to be party crew colors. It's how they are worn." (...)"


Mas quem respeita um gang de putos que usa meias cor-de-rosa? So' havera' algum respeito pelo cor-de-rosa no seguinte caso: when worn/used in a post-modern-ironic-pre-avante-retro-garde manner, and only then if this is obvious to all viewers of the pinkness (in Vitriolica 2005)

sexta-feira, junho 17, 2005

Um cientista bom (isto é, conhecido e assim) é um cientista morto*

"Teenagers are so out of touch with modern science that they cannot name a single living scientist, a survey reveals today." (in The Guardian de hoje)

Arriscaria dizer (tenho £6 em moedas de 20 pences) que nao sao só os teenagers.

"Environmentalist and broadcaster David Bellamy was the closest that two out of almost 1,000 respondents got. Others cited Madonna, Chemical Ali, Leonardo da Vinci and Christopher Columbus. Some students even plumped for their science teachers." (idem)

Chemical Ali?! ahahahahahaha Pois, ok, ya, Ali, o Quimico, claro. E a Madonna, nao esquecer nunca essa grande cientista viva, doutorada em sexologia clinica. Escreveu The Private Life of Plants, salvo erro. Erotic, erotic, put you hands all over my body.

Fica aqui um quizz para o fim-de-semana:
Do you know your scientists? 'Your', meaning 'britanicos'. Nao me posso rir muito. Vivo na Grande Bretanha e ainda nao sou uma rocket scientist. :(

You scored 6 out of a possible 10
Not bad, atomic kitten. You clearly know your Dollys from your Beagles, but don't get too excited: you're no rocket scientist yet.


*ainda dentro da temática da semana, a morte.

A propos, para terminar a semana, que amanha ninguém me amarra a um monitor, se o Meu Housemate (e o seu carro) quiser(em)...

...e a putad'ansiedade - por ser phodida - deixar.

Receita para se fazer um herói

Tome-se um homem,
Feito de nada, como nós,
E em tamanho natural.
Embeba-se-lhe a carne,
Lentamente,
Duma certeza aguda, irracional,
Intensa como o ódio ou como a fome.
Depois, perto do fim,
Agite-se um pendão
E toque-se um clarim.

Serve-se morto.

--Reinaldo Ferreira

Nao desfazendo. Que o people - onde me incluo - precisa de heróis, para jamais ser vencido e isso.

quinta-feira, junho 16, 2005

Yes, James, yes




No inquérito-Fahrenheit-451 yes, a cadeia de Santo António yes com mais sucesso yes na blogoesfera lusa yes até 'a data yes, todo o blogger yes intelectual yes ou intelectual-to-be yes levaria o Ulysses yes para uma ilha deserta yes, ou tinha-o comprado yes recentemente yes, ou yes planeava comprá-lo yes ou yes identificava-se com o Leopold yes Bloom yes. Nao yes me parece mal yes, mas porquê tanto show off yes, porquê yes meu dEUS yes?

"We have become the only animals who cannot bear themselves." (Adam Philips)



Sim, também, também é isso, Ivan. Mas olha que isto...:

"(...)I have undergone psychoanalysis in the "classical" form: couch, five days a week, August off, no pre-agreed date for ending treatment. The theory, on the rare occasions it showed through, seemed ludicrous. 'London is a breast', interpreted my Kleinian analyst one day when I was trying to describe why I loved my adopted city. Yuk. (...)" (Brenda Maddox, review do livro Going Sane, de Adam Phillips, Prospect, April 2005, pp. 64-65; o "negrito" é meu).

Yuk!

E isto?:

"(...)For many scientists, Freudian is bunk. In a forthcoming, professor of biology at University College London, ascribes the popularity of Freudian theory to its encouragement of easy casual explanations. In the analysis of dreams, for example, 'there is almost always a resemblance between the images in the dream and the supposed cause.' Dreams of snakes relate to the penis, or a policeman to an authoritarian father. Anybody can do it." (Brenda Maddox, idem idem, aspas aspas)

Yuk!!

quarta-feira, junho 15, 2005

O meu momento obsessivo-compulsivo (confissao pública um pouco kinky with 1 - or 2 - use(s) of strong language*)


Mousepad - Bubble Wrap ($12.99)

Em primeiro lugar, gostaria de saber como se diz bubble wrap® em Portugues, sem ter de usar uma frase cansativa, tanto para mim como para os meus interlocutores(e.g., dupla folha de plástico com bolhas, que serve para "almofadar" móveis, louça, e outros itens frágeis, quando se tem de os transportar, mas servindo também - e sobretudo, estou em crer - de stress releaser, entretenimento fascinante e perda brutal de tempo para bilioes de pessoas, por essa Via Láctea fora, provavelmente a grande invencao do século passado, maior ainda do que o post-it® e o clip® juntos). Segundo, tenho uma folha de bubble wrap® do tamanho de uma cama de solteiro inglesa debaixo da cama de solteiro inglesa onde durmo amiúdas vezes. Terceiro, olá, eu sou a Maria_das_Flores e gosto de espezinhar obsessivamente essa folha de bubble wrap® logo pela manhã, quando me levanto, e sentir os "pops" a fazerem-me cócegas nos pés [Bubble Wrap Anonymous: - Olá, Maria_das_Flores!]. Quarto, sei que nao sou doente, porque conheco milhares de casos de pessoas sãs que o fazem ritualmente sem lixarem [strong language?] completamente as suas vidas. Quinto, tento seguir a etiqueta de buble wrap® popping (ver abaixo) sempre que me é humanamente possivel. Por exemplo, já cortei pequenas fatias da folha de bubble wrap® que tenho debaixo da cama e ofereci aos meus housemates - Art. 4). Acabaram com os pops todos em 5,13 segundos, em média (desvio padrao = 0,89 segundos). Ficaram greedy e tentaram assaltar o meu quarto. Tive de por trancas na porta. Os meus housemates encontram-se agora num programa de desintoxicacao de bubble wrap® popping e reabilitacao. Vao a casa aos fins-de-semana. Por fim, deixo aqui um pedaco de bubble wrap® para quem precisar, mas com um aviso: esta merda [strong language] vicia e pode acabar com a vida de um gajo (ver história dos housemates acima).

Bubble wrap® etiquette

Art.1)Don't pop someone else's bubble wrap without permission. This could lead to Bad Things Happening to your person..
Art.2)Don't pop bubble wrap in quiet public places (like libraries) unless you want it confiscated.
Art.3)Don't pop bubble wrap in a store if you haven't paid for it. They get cranky when their rolls of bubble wrap are all limp.
Art.4) It is always good form to offer to share your bubble wrap.
Art.5) Giving your bubble wrap to children is good for Karma points.
Art.6) Chicks dig bubble wrap. Always bring it along on a date.

*A tv britanica avisa sempre destas coisas antes de certos e determinados programas.

terça-feira, junho 14, 2005

O meu momento teenager



Sou toda fã de bonecada e Arte Pop em geral. Toda-fã também de olhos verdes, melena azeviche, ramo montante ascendente da mandibula [ascending ramus of jaw] anguloso, mento robusto com 'covinha', segmentos vermelhos e carnudos que protegem a boca bem recortados e ares urbano-depressivos.

AVISO: Nao sou toda-fã, no entanto, de violencia (gratuita), pedofilia*, incesto, corrupcao e outras taras, na vida real.

*É dificil de acreditar.

[Actualizacao:] Ai.

segunda-feira, junho 13, 2005

Perdas dos últimos dias

(...)Deixa-me só, vegetal e só,
Correndo como rio de folhas
Para a noite onde a mais bela aventura
Se escreve exactamente sem nenhuma letra.

-- Eugénio de Andrade (1951), "Vegetal e Só" in As Palavras Interditas


Eugénio de Andrade


Álvaro Cunhal


Vasco Gonçalves (à esquerda), 1922-2005

sábado, junho 11, 2005

A última vez que ouvi a BBC falar de Portugal foi durante o EURO 2004


Até ontem.

quinta-feira, junho 09, 2005

Das duas, tres

Este?


Este?


Ou ambos (os dois)?

Venha o gin tónico, por favor...

...que o teste já fiz.


Woody Allen
Masturbation Personality: Woody Allen


What's Your Masturbation Personality?
brought to you by Masturbation Techniques

Contraponto

(desculpe lá sr. Huxley)

Queria vidinha:

Resolvi escrever-te para que consigas dizer-me qualquer coisa sobre ti, afinal já lá vão alguns meses que não tens dado notícias.

Por aqui o tempo está bom, e já apetece fazer aqueles cafés numa esplanada ao fim da tarde ou mesmo desfolhar um qualquer jornal que tenha mais que simples titulos escritos em letras garrafais.
Sabes Vida, o Artur tem perguntado por ti. Tem tentado saber por onde andas, que sente saudades das tertúlias das pesquisas de trabalho nos jornais da pastelaria onde já eram habituais.
O Tiago também tem sentido saudades tuas, do tempo que colocavas o mais belo dos sorrisos na minha cara e rias quando brejeiramente tentavas a todo o custo caber nos mais belos "cintos largos". Ele sente falta das noites onde o sono não vinha e o romance flutuava no ar.
A Renata essa sim, tem vindo a exigir a tua presença.
Diz que já foi como tu, que já se perdeu pelo Bairro Alto, sorriu com as lojas "estrambólicas" de roupa e, idealizava um corte de cabelo 80's, que só lá conseguia fazer. Agora não. Não tem paciência para as lentes de contacto, comprou uns óculos massudos, vermelhos, para não perder tempo. A maquilhagem, já está fora de validade e, o mais triste, choram os cintos largos, desejando sair da gaveta onde foram colocados há um ano. Sente também saudades de usar o espelho retrovisor não só para fazer manobras, mas para se olhar nos olhos.

Esta mensagem já vai estando longa cara Vida, pelo que vou despedir-me de ti. No entanto sem antes te recordar que vê lá se fazes uma visita por estes lados, se te recordas de nós, que estamos por aqui, ansiosos por te reaver.

Bibis fresquinhos,
A Tangerina

quarta-feira, junho 08, 2005

O poder da cueca laranja (V) [Fim/Enough is enough/Pim!]

(continuando o cascanço noutro semideus caído)

Alvo: Morrissey. O meu amigo Ingénua Perversa (private joke), amigo e tambem colega de culto Smiths-Morrissey (entre outros cultos), um dia disse-me, de voz embargada (vamos enfabular um bocadinho, que nao e' dai que virá mal ao mundo): "Epa', nem sabes! Esta' tudo a morrer. O Morrissey ja' nao esta' entre nós." (isto dito assim, mais coisa, menos coisa). Passados uns anos, descobrimos que, afinal, 'Elvis' está vivo. Esse outrora semideus resolve parir umas cancoezinhas la-la-la-ra-la', ainda por cima armado ao pedante misantropo nacionalista. Talvez esteja a ser extremamente injusta e nao tenha dado grande hipotese ao You Are the Quarry. Até porque eu eu acredito piamente que o mundo está cheio de crashing bores. Acredito, nao. Sei. Conheco-os quase todos. Aliás, este crachá é um must). De qualquer das formas, dEUS morreu, Morrissey semideus também e eu propria nao me sinto la' muito bem. (mais bad reviews aqui)


Leia-se The Queer is Dead.

Por falar nisso, estou a 10 metros da Her Majesty the Queen, hoje em visita a esta aldeola. Estou enfiada, claro está, num bunker (com PCs do Cenozóico), para me proteger da multidao e dos papparazzis que esperam a rainha do corso carnavalesco mais atávico que conheco. Encontro-me refundida das luzes da ribalta, por questoes maiores [a) bad hair day; b) pesam-me as mamas].

Pim!

terça-feira, junho 07, 2005

Ah, 'tá bem.Caio sempre nessa.Nesse caso, espero até 'as 7 da tarde, ou assim, ali no parque por trás de minha casa.OK,em frente ao Claire C.Boathouse

"Nós pensamos que a mudança se dá repentinamente, mas até eu aprendi a nao cair nessa. A felicidade é desordenada e arbitrária, mas nao é repentina."
-- in Anne Michaels (1997). Peças em Fuga. Editorial Presença, p. 179

segunda-feira, junho 06, 2005

O poder da cueca laranja (IV). Definicao

O poder da cueca laranja é...

the power of listening to what
you don’t want me to know
(Tori Amos)

AVISO 1 (grátis): nao é necessário comprar um par de cuecas cor-de-laranja num concerto da Tori Amos (Tour 2005) para se ter o poder da cueca laranja.
AVISO 2 (grátis): as cuecas cor-de-laranja que se podem comprar nos concertos da Tori Amos (Tour 2005) nao têm poderes especiais de corrida.
AVISO 3 (grátis): as cuecas cor-de-laranja que se podem comprar nos concertos da Tori Amos (Tour 2005) nao passam de um ridiculo produto de marketing mas que - para minha perplexidade - vende bem.

May the power of orange knickers be with you!

O poder da cueca laranja (III). A semi-redenção da deusa em palco

Abstract do diário de campo, Londres, Carling Apollo Hammersmith, standing stalls, 3 de Junho de 2005:

Nos periodos durante-concerto e, sobretudo, pós-concerto, apercebo-me com maior clareza que os dois grandes problemas do último álbum da Tori sao, de braço dado, o excesso de produçao e a falta de ediçao/corte. O dueto com o Damien Rice e' um problema menor, ja' que ele so' intervem em 1/19 do album (o suficiente para me irritar, mas nao e' estatisticamente significativo). Em palco, todo o poder semidivino da deusa ruiva da cueca laranja e' revelado através de 1 piano, 3 orgaos, 6 microfones, 1 voz, muita improvisacao e nenhum Damien Rice. Ainda assim, o último album nao e' o melhor. Nao obstante, a ruiva rulez!

quarta-feira, junho 01, 2005

O poder da cueca laranja (II)

"I've always been a John Lennon person. My husband is a Paul McCartney person but I love a twist in the story. I love the tension of opposites. I love dancing with the devil - but the devil's a dictionary, not a dick!"
-- Tori Amos; Word Magazine (UK), Feb 2005

Repitam comigo: the devil's a dictionary, not a dick!

O poder da cueca laranja (Parte I, em princípio)

AVISO aos amantes exclusivos do post curto: voltem mais tarde. Ou vao ao Voz do Deserto, o Rei Magnanimo e Absoluto do Post Curto de Qualidade. Conselho de amiga.



Ha' certos e determinados artistas, bons artistas, geniais, alias, que nao podem viver num estado de pura e beatífica felicidade, a bem da sua arte. A arte de certos e determinados artistas - geniais - fica combalida quando o seu autor resolve, por exemplo, aumentar o seu sucesso reprodutivo e ficar ultrafeliz, com todos os ultratraumas passados ultrapassados. Quer dizer, e' perfeitamente natural que se fique a espirrar de felicidade apos certos acontecimentos na vida, e eu, a nivel pessoal, fico tambem muito contente - genuinamente - que as pessoas sejam felizes e isso. E eu adoro os filhos dos outros e isso tudo.

Agora dá-se o caso de a sobredotada Tori Amos parir o seu querubim e, de seguida, parir um enfezado album com 19 cancoes nao-geniais. Nao estou, de forma alguma, a propor que alguem abduza o seu rebento, para lhe provocar a dor necessaria á concepcao de um album 'a altura do seu talento, que eu sou totalmente contra a exploracao infantil. Mas que alguem tenha a decencia de lhe provocar um pouco de angustia existencial, que so' assim e' que a Tori brilha, parece-me.

Por exemplo, ela era, para nao enumerar uma duzia de outros atributos, uma lirica original, que gostava de dancar com o diabo e brincar com as palavras, de forma a deixar-nos a ruminar na coisa durante umas boas semanas, senao mesmo anos (e.g. Mr. Zebra) Oferece-nos agora titulos patetas tipo Original Sinsuality. Sin-suality. Perceberam, hein, hein? Uma adolescente de 14 anos, daquelas que tem a mania que sao poetas [-isas!] e que escrevem sobre as flores, os passaros, as abelhinhas e o grande amor da vida delas(acnento), utilizando rimas complicadissimas acabadas em "ar", nao faria melhor. Depois, va' la', cai em si, e oferece-nos The Power of Orange Knickers, excelente titulo, mas depois a musiquita nao tem a mesma forca (com ou sem cedilha). Ainda para mais em dueto com o Damien Rice - ha' ali qualquer coisa de muito errado.

E' claro que se tivesse sido outra pessoa qualquer a parir um Beekeper, eu consideraria bom. Vamos la' a ver bem a coisa: um Joao Pedro Pais nao seria capaz de tal facanha (cedilha), que ele nao possui o poder da cueca laranja, mas apenas o poder de me desequilibrar o sistema nervoso. Mas "Bom" para um talento como a Tori e' como dar-lhe um "Suficente". Menos. Suficiente Menos. Porque aos semideuses nao se exige menos do que a excelencia divina e a Tori tem essa cruz. Lamento. Estas coisas custam, percebem? (outras bad reviews aqui, aqui e aqui).


Vou so' ali dar uma ultima hipotese 'a Tori de se redimir, que acho que ainda acho (sim, nao vou emendar: acho que ainda acho) que ela deve ser uma deusa em palco.

Tori Amos + Special Guest, Carling Apollo Hammersmith, Queen Caroline St. W6, London, 3 e 4 de Junho, 'as 19:30.

(continua o cascanço noutro semideus caído)

A Leonor chegou, ditosa e bem segura

Leonor, Leonoreta
vai na brasa de lambreta


Parabens 'a mammy, ao daddy e 'a Ditosa, dona de uns ricos tres mil e oitocentos gramas!

(noticia de ultima hora via Sis - aka Batukada - e Tia da Ditosa)