Conversa na Travessa

quarta-feira, março 31, 2004

O Segundo Dia: Breve apontamento de uma emigrada de passagem pela terra natal


A mala de cartão. Lisboa, Santa Apolónia, Monumento ao Emigrante

No primeiro dia de regresso: tem-se o sol na eira e a chuva no nabal. Tudo é maravilhoso. Tudo é possível.

O Segundo Dia: tropeça-se em obras inacabadas. Em papeis. Os mesmos guindastes de há 3 meses a segurarem um futuro interrompido. Tropeça-se no que falta fazer e dizer e encontrar. Mas porquê? Porque:

"O português é um ser indefinido; ignora o limite das coisas; não pode ter um conceito claro da existência, mas uma concepção nublosa, sentimental. E, por isso, principia tudo e nada acaba." (Teixeira de Pascoaes)

terça-feira, março 30, 2004

Para ti!



Bibis minha querida ba-ta-ta!

A Tangerina

segunda-feira, março 29, 2004

Rua da Judiaria

Através do Nuno, descobri umas fotos lindas da minha rua de infância onde passei quase 15 anos da minha existência.
Foi através dela, que descobrimos (eu e o Nuno) que tinhamos sido vizinhos, apesar de não nos recordarmos um do outro talvez devido às diferenças das nossas idades.
Assim, devido a dele e ao seu blog, fiz visitas pela minha imaginação e por ele descobri estas fotos LINDAS que marcam aa minha infância.


Vejam AQUI a rua onde vivi!

A Tangerina
(obrigada Nuno)

Dez mil?!

Dez mil?!
Fogo!!!!

Eu sei. Eu compreendo. A Travessa acaba por ser um beco incontornável. Afinal temos as comadrices, a ginginha e o pastelzinho de bacalhau. Por mais sofisticados que tentemos ser, há sempre um lado de nós que adora os ambientes de "faca na liga" e os ensaios para as marchas.

Tem sido agradável e apesar do cheiro que de quando em vez a sargeta exala, continuamos aqui, " vivinhas da costa"e prontas para um conversa na travessa.
" Obrigada! Obrigada!Obrigada!"



Amália na Severa

sexta-feira, março 26, 2004

Vasco Granja

O que é feito de si?
A Maria das Flores, comadre aqui da Travessa, deixou-me com esta dúvida, Onde paras, Vasco Granja??

Desta forma fui descobri-lo a dar milho aos pombos no terreiro do paço(?).


E ainda a caricaturado pelo sr. Rui.


Mas, ó vasquinho (permita que o trate assim, depois de anos a entrar pela minha televisão com o simpático cumprimento - "olá amigos") e demais vinte leitores que por vezes descobrem este recanto bloguístico, alguém sabe do Vasco Granja?

A Tangerina

Hoje o dia vai-se pautar...

...por dois acontecimentos de EXTREMA importância.

Vou jantar com uma amiga das lides bloguísticas e não só, de quem eu gosto muito, e vou fazer o saleiro passear até cá.
Há lá coisa melhor que ter pessoas que gostam de nós e de quem gostamos?

A Tangerina

Eu, Maria, me confesso (breve apontamento nostalgico).



(A proposito do excelente post do Ivan-do-Memoria, "Egocentrismo Lato", 26/03/04)

Eu, Maria, me confesso. Pertenço 'a Geraçao Vasco Granja. Bem grande essa geraçao,ja' que a "Animaçao 2" esteve no ar durante uns anitos (isto so' para nao me chamarem de "cota"). Sempre 'a espera que desse um episodio da Pantera Cor-de-Rosa, a seguir aos desenhos animados hungaros, polacos e checoslovacos, comecei a gostar de Jazz, sem querer, sem o saber ("-So' gosto de dança jazz, mas nao da musica (Jazz)", afirmava. Padeço de adolescencia tardia, embora as festas de aniversario ja' nao ocorram na Feira Popular e agora aprecie certos vinhos italianos (e portugueses...e espanhois). Nao pertenço a nenhuma secretaria de Estado e nao sei o que vou ser quando for grande. Enquanto isso, cantarolo a musica d'"As Aventuras de Tom Sawyer", do "Dartacao", da "Abelha Maia", do "Marco" (gosto da versao das "Amarguinhas") e da "Pantera Cor-de-Rosa", e pergunto: "- Alguem se lembra da Candy Candy? E do Conan (o rapaz do futuro)? E dos Stroumpfs? E das pastilhas elasticas Pirata*?"

P.S. *Pastilhas elasticas Pirata - Nao encontrei nenhum site sobre as Piratas. Mas encontrei um(a) companheiro(a) da Geracao Vasco Granja:

"... Quem nunca teve que comprar uma pastilha elástica Pirata (apesar de se desfazer toda na boca) por ser mais barata que a Gorila, que atire a primeira pedra. ..."

quarta-feira, março 24, 2004

Sal de Cozinha



A Tangerina

Estranho momento



Viseu, Março de 2004

O ponteiro que cantava Ray Charles

O Tic tac do relógio teimava em não passar.
Fechou os olhos por instantes e pensou "quando os abrir já passou uma hora". Nada mais falso.
O ponteiro vermelho teimava em cantar Ray Charles enquanto na sala de espera, o acompanhamento da bateria era feito com as bolhas de um bidão self-service de água.
NIsto na outra sala vislumbra-se um outro relógio que, não feliz com a conjuntura musical, teimava em dar uns riscos house, enquanto a torneira do WC acompava com um pingar melodioso.

A Tangerina

Nao fui eu!!

Ontem, no Pastilhas:

"É a censura, amigos! É a censura!

Será que "a causa foi modificada" foi silenciada devido às suas posições políticas?!
E que tal isto para terrorismo?
Maria, Batu, digam qualquer coisa...

» hp, 2004-03-23 (15:02)"


"NAO FUI EU!

Continuo a acreditar no Artigo 19 da Declaracao Universal dos Direitos Humanos (D.U.D.H.), mesmo que "At its half-century mark, Article 19 remains more poetry than reality" (Bill Orme 1998 in Index on Censorship).

Alem disso, eu sou uma romantica incuravel e gosto de duelos 'a antiga, com espadachins, padrinhos, hora marcada, camisas de folhos e calças de veludo apertadinhas. O terrorismo, esta' visto, nao e' para mim. Nem invasoes barbaras... ;)

P.S.1 Ao terrorista que acabou com a Causa: que dê um passo em frente, se faz favor, para ser apedrejado!

P.S.2 Artigo 19 da D.U.D.H.: "Everyone has the right to freedom of opinion and expression; this right includes freedom to hold opinions without interference and to seek, receive and impart information and ideas through any media and regardless of frontiers."

» Maria_das_Flores, 2004-03-23 (15:27)"

Finalmente, a dura realidade:

"O meu blogue suicidou-se...

... argumentou "error 553", o que é perfeitamente lógico.

» maradona, 2004-03-23 (19:50)"

Vamos apedrejar o "error 553"?
Mas porque o suicidio? Estaria o blog a ser vitima de maus tratos? Depressao primaveril?
Ja' que estamos em periodo de Quaresma, esperemos por um milagre...tipo ressurreicao ao terceiro dia, conforme as escrituras.
Bom, e ja' chega de blasfémias por hoje.

terça-feira, março 23, 2004

Hummmmmmmmmmmmm...ja' desconfiava

Celebrou-se, na semana passada, na aldeia onde me encontro, a Chocolate Week, como forma de celebracao da Non-Smoking Week. Num dos dias, houve fondue de chocolate 'a borla. De comer e rebolar por mais. A Comadre Paula (a das comidas), nao se encontra disponivel para a cozinha, mas encontrei aqui, no Cozinhando por Prazer, esta receita, de facil execucao ate' para mim:



Ingredientes (8 pessoas):

250 g de chocolate preto picado
125 ml de creme de leite
marshmallows
fruta fresca picada.

MODO DE FAZER:

Colocar o chocolate e o creme de leite numa panela de fondue e levar ao fogo baixo até obter uma mistura homogênia.Servir a panela de fondue com os marshmallows e as frutas.


E encontrei aqui a explicacao para o facto da Non-Smoking Week se chamar agora Chocolate Week:

"Gordura do chocolate "imita" ação da maconha, diz estudo (Agosto 1996)

O chocolate contém substâncias que agem no cérebro do mesmo modo que a maconha.
Danielle Piomelli e equipe, do Instituto de Neurociências de San Diego (EUA), descobriram que o chocolate escuro contém anandamida, substância que imitaria os efeitos da maconha.
A pesquisa está sendo publicada na edição de hoje da revista científica "Nature".
A anandamida é um lipídio (gordura), que se liga a partes das células do cérebro (receptores) sensíveis às substâncias presentes na maconha.
Isto é, ativadas, fariam com que o organismo reagisse de modo semelhante a quando é estimulado pelas drogas presentes na planta, os canabinóides.
Os pesquisadores dizem que ainda precisam fazer outros testes para verificar os efeitos da anandamida em organismos. Os canabinóides aumentam a sensibilidade e provocam euforia. (FSP)
"

Pois eu bem que desconfiava disso ha' muito tempo...desde os tempos em que saia de casa pela calada para ir comprar (e consumir) kit-kats (em embalagens de 3)...'As vezes ate' "desviava" umas moedas que encontrava la' por casa. Na altura, como era magrela, nao se notava que andava no vicio..e assim foi durante alguns anos... Agora e' diferente...hoje so' consumi 3 bombons (pequenos) com o cafe' depois do almoco.

Mas parece que o chocolate preto e' muito mais saudavel do que o chocolate de leite. O chocolate preto contem flavonoides, que se encontram tambem no vinho tinto e no cha' verde, e que tem propriedades antioxidantes. O leite parece interferir com as propriedades antioxidantes do chocolate. Portanto...dark chocolate forever...mas com moderacao. "I would advise moderate consumption, maybe a small bar of chocolate a day. " "Milk and dark chocolate contains high levels of saturated fats, which get into the blood stream and increase levels of cholesterol, increasing the risks of heart disease. " "It is a useful supplement to a balanced diet but it should not be a substitute for five pieces of fruit and vegetables each day." (Professor Alan Crozier, BBC News (27/08/2003); New Scientist (27/08/2003))

segunda-feira, março 22, 2004

Liberdade academica

"Everyone has the right to freely participate in the cultural life of the community, to enjoy the arts and to share in scientific advancement and its benefits." (Declaracao Universal dos Direitos Humanos, Artigo 27)

"Freedom must go hand in hand with being better informed and understanding more and better."
" What surprises me most is my critics' accusation that I'm disturbing the public. I'm happy to be accused of the same crime as Socrates. They tried and sentenced him on the charge of disturbing the minds of Athens' youths." (Abdol Karim Soroush, sobre o Irao. Squeeze on Democracy 1 2002 in The A-Z of Free Expression, publicado por Index on Censorship)

"25% das 4 000 pessoas executadas ou torturadas ate' 'a morte no Iraque entre 1968 e 1981 eram academicas." (Nasreddine Hajjaj 1981 in Index on Censorship)

Finalmente, ei-las!, as bombas de destruiçao maciça - os academicos, esses perturbadores de mentes jovens!! (Maria das Flores 2004 in C. da Travessa)

P.S. Contudo, continuo a acreditar que nao ha' paises invadiveis...

O Amor

"Scolari, já vimos do que cê é capais"

Será demais pedir a taça?

Está tudo pronto? Dá-lhe gás!

Três, dois, um, vai arrancar
uma espécie de hino em versão popular
sem essas coisas de mão no peito e ar pesado
Em 2004 o campeonato vai mudar o nosso fado
do coitado, do comido
Porque é que o país se queixa do que podia ter sido?
Mas nunca é. E a culpa nunca é nossa
é do árbitro, é do campo, é de quem nos deu uma coça.
Chega. Queremos mais, é um murro na mesa.
Um grito do Ipiranga em versão portuguesa.

Porque até hoje, quase marcámos, quase ganhámos, quase fizemos?
Mas porquê quase? ?Passemos à próxima fase.


(Refrão)
Marca mais!
Corre mais!
Menos ais, menos ais, menos ais!
Quero muito mais!


O conceito é muito simples: não desistir.
Mas será que é chato aquilo que acabamos de pedir?
É chato agora, acreditem no que digo:
nós jogamos em casa e contamos com o Figo,
o Rui Costa, o Deco, o Simão e o Pauleta.

Razões para querermos muito mais que um lugar que não comprometa.
Será de mais pedir a taça?
Nada que um adepto com o mínimo de orgulho não faça.
Bonito, bonito, é dar o litro,
É não passar a vida a pôr culpas no gajo do apito.
Vá lá gritar noventa minutos, cento e vinte, o que for
do princípio ao fim, por favor.
Vamos lá, afinem-me essa voz
No fim, só ganha um? e temos que ser nós.


Marca mais!
Corre mais!
Menos ais, menos ais, menos ais!
Quero muito mais!



Joga mais!
Sua mais!
Menos ais, menos ais, menos ais!
Quero muito mais!


Nem custa tanto assim imaginar a vitória
no fundo, é só uma soma de momentos de glória.
Era bonito? Um abraço aqui, um abraço ali?
Abraço toda a gente, abraço quem nunca vi.
Vamos lá transformar isto numa grande festa
Sem pressão, Selecção, és a esperança que nos resta
Por isso, escuta: não te esqueças que a sorte protege os filhos da luta.
Não nos levem a mal a exigência
Mas p'a empates e derrotas não há grande paciência.

Queremos mais, muito mais, menos ais
Scolari, já vimos do que cê é capais.
Cê sabe que para ganhar é preciso ter fé.
E a bola no pé.


?querem mais?


Então vamos lá outra vez
Quem não salta, não é português
Sempre com o desejo de cantar na final
"levantai hoje de novo o esplendor de Portugal".
Tudo a postos,
vamos ter fé uma vez na vida
e acabar o europeu de cabeça e de taça erguida.

Se temos saudade, temos vontade, temos saúde, temos atitude
Se temos tudo, de que é que o português se queixa?
?Era esta a vossa deixa.


Marca mais!
Corre mais!
Menos ais, menos ais, menos ais!
Quero muito mais!


Joga mais!
Sua mais!
Menos ais, menos ais, menos ais!
Quero muito mais!


Obrigada ao Molin.



A Tangerina

sexta-feira, março 19, 2004

Alisto-me ou nao me alisto?

Ao fim do dia...(o filho chega a casa)

Mae: - Entao? Como foi?
Filho: - Devia ter-me alistado nos comandos. O professor disse que a literatura era escrever com uma lata de gasolina numa mao e um extintor na outra!


(in BD "A Pior Banda do Mundo", Jose' Carlos Fernandes)

P.S. E se me engano? E se uso a lata de gasolina quando devo usar o extintor? E vice-versa? Deserto ou torno-me objectora de consciencia?

quinta-feira, março 18, 2004

Do prazer de maltratar livros

Novamente, posto um comentario que fiz a um post postado noutro blog, assinado por Ivan (16/03/04, "Oito horas em Frankfurt"):

"Qual era o livro? Va' la', diz la'!
Tem piada que eu faco o mesmo a alguns livros, nao a todos, nem sei bem porque. Ha' livros vitimas de atrocidades nas minhas maos, desde sublinhados multicolores, desenhos, gatafunhos, notas, ate' migalhas de biscoitos e borradelas de chocolate. E vincos, muitos vincos. Outros ha' que sao vitimas de um subito fanatismo pela arte de bem tratar um livro: "Eu gosto muito de emprestar-te os meus livros, mas p'ramor de deus, tu nao me calques as paginas do livro! E livra-te de lanchares para cima dele!" Mas por que raio? Nao ha' uma relacao directa entre a qualidade do livro (o facto de eu gostar dele ou nao) e os actos terroristas infligidos no mesmo. Nao me entendo.

Afixado por Maria das Flores em março 18, 2004 10:20 AM
"

quarta-feira, março 17, 2004

Do ridiculo


"Elephants love their mamas"

Falta de tempo e (presenca de) preguica mental fazem-me repescar um comentario que fiz noutro blog ("Orientação sexual e genética") e posta'-lo aqui.

"Gostei da clareza e honestidade deste post. Tambem sou contra qualquer tipo de discriminacao, inclusive a discriminacao de criancas que nao escolheram os pais que tem (todas elas, portanto). Estou contigo, de certa forma, no ponto 8. ["8. O único entrave que me leva a hesitar na atribuição deste direito a casais homossexuais é, precisamente, a discriminação de que os homossexuais são alvo. Condeno a discriminação dos homossexuais e defendo total igualdade de direitos, mas hesito quanto a comprometer os direitos de uma criança nessa luta. Há aqui uma ironia cruel: o único elemento que objectivamente pode prejudicar a criança adoptada é a discriminação social cuja eliminação defendo."] Por outro lado, se penso que ha anos ser filho de pais separados era tambem razao suficiente para se ser discriminado e que as coisas (um pouco) mudaram, por que nao hao-de as coisas mudar tambem no campo da adopcao por homossexuais?
Tambem gostei da informacao dada no ponto 6. ["6. Existe literatura científica demonstrando que as crianças educadas por casais homossexuais têm um desenvolvimento perfeitamente normal."] Mas, melhor do que o ponto 6 e' o ponto 7 ["7. Argumentos contra a adopção de crianças por casais homossexuais que façam apelo ao que é e não é "natural" não podem ser levados a sério."], que faz com que o ponto 6 nao seja levado a serio, se usado como argumento para a adopcao de criancas por casais homossexuais. Nao ha, de facto, pachorra para argumentos pseudo-cientificos, como os de Miguel Sousa Tavares, no Publico de 12/03/2004, "O Ridículo Causa Danos". So' um "cheirinho":

"2 - Por idênticos e primários raciocínios, caiu em cima de Luís Vilas Boas um coro de politicamente correctos, só porque ele se atreveu a dizer uma coisa óbvia: que um casal homossexual não oferece garantias para criar e educar equilibradamente uma criança. Uma vez mais, é o direito das próprias crianças a uma infância saudável que passa para segundo plano, cedendo ao direito dos homossexuais, mulheres ou homens, de brincarem aos pais e mães. Uma vez mais, a minha resposta é: olhem para a natureza. Já viram elefantes "gays" ou focas lésbicas a criarem filhos em comum? Peçam o que é legitimo pedir - igualdade de direitos conjugais e sucessórios, por exemplo -, mas não peçam o que não é natural pedir e ofende os direitos legítimos de terceiros inocentes. "

Quanto aos elefantes e focas, nao sei, mas ha, por exemplo, uma serie de especies de macacos e de chimpanzes em que as crias sao criadas (passe a redundancia) nao so' pelas maes , mas tambem por "tias adoptivas". E' engracado como se podem ir buscar 'a "natureza" exemplos para quase tudo o que se queira provar...

Afixado por Maria_das_Flores em março 15, 2004 03:27 PM"

P.S. Parece que as crias dos elefantes sao criadas nao so' pelas respectivas maes, mas tambem por tias, que tem um papel fundamental na proteccao dos pequenotes. Quanto aos machos: "Male elephants, on the other hand, play little role in the life of the herd. Even by the age of five, young male elephants assert their independence, and by adulthood, they depart the herd, establishing home ranges of their own, and leading solitary lives." Sera' que MST vive uma vida de elefante? Vida ridicula? Isso e' la' com ele. Mas como, em tempos, fui fa quase incondicional dos seus escritos, aqui vai uma palavrinha amiga:

"So' os imbecis tem medo do ridiculo. Considero um soturno pobre-diabo o sujeito que nao consegue ser ridiculo de vez em quando." (Ruy Castro, "O Anjo Pornografico - A vida de Nelson Rodrigues")

terça-feira, março 16, 2004

Piada do dia

Num qualquer canal de TV, um jornalista pergunta ao Ministro da Defesa...
"Quais são os mecanismos que permitam ao país respirar sem medo do terrorismo?"
resposta do sr. Ministro:
"Temos o Serviço Nacional de Fronteiras e a Guarda Fiscal...*"


*: a Guarda Fiscal foi extinta há mais de 10 anos!!!! (será que alguém lhe disse?)

Eu até nem sou de intrigas...

In Diabos Vermelhos (claque do SLB)
"Milhões de Portugueses foram convocados...
...e tu Baía?!?


Está tudo dito!

A Tangerina

segunda-feira, março 15, 2004

Obrigada



A Tangerina

Fazem-se: Alterações de frequências cerebrais

Ali no cafézito da Ti'Laida, há uns rissóis de carne e umas pataniscas de chouriço, que comidos, acompanhado de um Alvarinho do produtor, alteram sem margem para dúvidas as frequências cerebrais.

sexta-feira, março 12, 2004

NÃO AO TERRORISMO!!!!

É A CIÊNCIA, ESTÚPIDO! (3)

Filipe Moura postou ontem "E' a ciencia, estupido!", partes 1 e 2, sobre a ciencia em Portugal. Arrogantemente, e sem pedir licenca, posto um "E' a ciencia, estupido!", parte 3.

Lembro-me de um amigo meu, com "background cientifico", um dia, muito amargurado, me perguntar:
- Epa', mas tu sabes quem e' que escreveu "Folhas Caidas"? E' que as minhas colegas psicologas fartaram-se de rir porque um tipo nao soube responder a essa pergunta num teste psicologico de conhecimentos gerais. Chamaram-lhe de ignorante para baixo. Eu fiquei caladinho que nem um rato. Tambem nao sei.

Pois. Mas eu sei que essas meninas: nao sabem fazer uma regra de tres simples; desconhecem a relacao entre catetos e hipotenusa num triangulo rectangulo; nao sabem a diferenca entre circulo e circunferencia; nao sabem que, para alem de Darwin, houve um senhor chamado Wallace, com as mesmas ideias evolucionistas na mesma altura, e que Malthus influenciou Darwin e nao ao contrario; nao sabem o que e' um iao (com til no "a") ou um quark; desconhecem que "todo o corpo mergulhado num liquido sofre da parte deste uma impulsao vertical, de baixo para cima, igual ao peso do volume do liquido deslocado (pelo corpo)" (acho que e' mais ou menos assim a Lei de Arquimedes)... Mas o meu amigo sabe. Afinal, quais sao os parametros para se definir um ignorante? 'As vezes parece-me que continuamos (portugueses) na Idade das Trevas. Por essas e por muitas outras, peguei nos meus dois neuronios e fugi(mos) de Portugal. Mas queriamos voltar...

P.S. Algumas respostas: "Folhas Caidas", escrito por Almeida Garret; "unidade basica da vida" = celula (vida definida em sentido lato, claro esta').
P.P.S. Dar uma vista de olhos no editorial de 05/03/2004 do Publico (com acento agudo no "u")

Chupa longamente o sumo da tangerina, hoje faz anos uma menina

Vejam so' como os citrinos sao importantes, que ate' tem direito a camisolas (embora amarelas e nao laranjas) e poemas:





(In Memoire du cyclism, pelotao portugues, 1986)

Excerto do poema LUGARES
(...)
a CASCA rasgada no canto do prato
é o mapa de Guadalamaxica

o GOMO atravessado nos dentes, como onda na areia,
infiltra o beijo úmido, por séculos tão esperado

chupa longamente o SUMO DA TANGERINA!
contra o gemido do prazer não há vacina

a vida toda é uma muiraquitã
o tempo em que se mordisca a carne da poncã

tudo é cegueira, nada mais se nota
quando se come a fundo a bergamota

o CHEIRO
não é o cheiro da morte

a CHAMA LARANJA do amor
cresce por dentro da boca

depois, pode-se ler o rascunho do fogo:
CASCAS, BAGAçOS, SEMENTES e a excêntrica FLOR felicidade


(Ruy Proença)



******************************************************************************************
Chupa longamente o sumo da tangerina!
Hoje faz anos uma menina.
Parabens, Tangerina-menina!
(Adaptado por Maria das Adaptaçoes)

A minha prenda para a Tangerina

Hoje a minha comadre faz anos. E como lhe prometi a minha prenda para ela seria cantar os parabéns com o meu filho e ele bater palminhas no fim.
É uma prenda um pouco abstracta, mas posso garantir que assim foi. Ele no fim bateu palmas e disse: " Eeeeeeeeeeeeeeeeehhhh!".
Parabéns Renata e festeja como e com quem mais desejares!!!
Não te mando bibis porque os bibis são só teus para dares a quem quiseres. Mas mando-te um camião de beijos. E também isto:

A relatividade das coisas

Hoje de manhã vinha no autocarro a pensar em coisas que há uns anos atrás, tiveram tanta importância para mim. Hoje não teriam, decerto. E é aqui que constato como é difícil o caminho do crescimento e da aprendizagem, e o quão prazeiroso é continuar.

quinta-feira, março 11, 2004

e não é que...

... o Dj Marky vem só porque faço anos?


(bonita maneira de dizer que amanhã é o meu aniversário, ando a aprender com os posts da Charlotte)

A Tangerina

quando faltam as palavras...

...leio e subscrevo a Ana Albergaria!

Já agora menina Ana tenho muitas saudades tuas. Gosto muito de ti!

A Tangerina

Nao consigo deixar de amar voce

Chegou ate' esta Travessa uma alminha errante 'a procura da tradução do "I can't stop loving you " dos Van Hallen, via "Yahoo Cadê?". E nao achou nada aqui, pois nao? Ate porque devria ter escrito "Van Halen" e nao "Van Hallen". Bom, como acho que a Travessa pode ter alguma funcao de servico publico, pelo menos de vez em quando, vou tentar fazer uma traducao livre do Ingles para o Portugues do Brasil. Ora ca' vai:

Nao consigo deixar de amar você (Traducao muito livre: Comadre Maria das Flores)

1) Existe um tempo e um local para tudo e para toda a gente.
Podemos empurrar com toda nossa força, mas nada vai vir. ó, nada vai
mudar, e se eu te pedisse para nao tentar, ó, você poderia deixar para lá.
Eu quero te abraçar e dizer Nao podemos deitar isto tudo fora, me diga que
você nao vai, que você nao vai. Você precisa que eu lhe diga?

Refrao:
Nao consigo deixar de amar você, nao interessa o que eu diga ou faça, você
sabe que o meu coraçao e' verdadeiro. Eu nao consigo deixar de amar você.

2) Você pode mudar seus amigos, o seu lugar na vida. Voce pode mudar
de ideias. Podemos mudar as coisas que dizemos em qualquer altura. ó,
nao, mas eu acho que você vai descobrir, quando olhar para dentro de seu coraçao
ó, querida, eu estarei lá, sim

Bdg.)
Espera. Estou 'a espera, querida, vem, vem, vem
Eu so' quero ouvir você dizendo isso.

Refrao

Bdg.)
ó, estou tao dividido e amarrado e tudo o que eu lembro
foi o quanto tentamos so' para nos rendermos
E quando acabar, eu sei como vai ficar
e o verdadeiro amor nuca ira' morrer, nem esmorecer

Refrao

E eu sei o que tenho de fazer
Ei, Ray, o que você disse e' verdade, eu nao consigo
deixar de amar você, ó, eu nao consigo deixar de amar você.


E, de seguida, apresentamos a versao original deste belo poema dos Van Halen. Descubra as diferenças.

Can't Stop Loving You
Lyrics by Van Halen

1.)
There΄s a time and place for everything for everyone. We can push
with all our might but nothing΄s gonna come. Oh nothing΄s gonna
change and if I asked you not to try oh could you let it be.
I wanna hold you 'n' say We can΄t throw this all away tell me you
won΄t go,you want go. Do you have to hear me say.

Ref.)
I can΄t stop loving you there΄s no matter what I say or do you
know my heart is true.I can΄t stop loving you
2.)
You can change your friendsyour place in life.You can change
your mind.We can change the things we say and do anytime.Oh
no but I think you΄ll findthat when you look inside your heart
Oh baby I΄ll be there yeah

Bdg.)
Hold on I΄m holding on Baby just come on, come on, come on
I just want to hear you say.
Ref.)
siehe oben
Bdg.)
Oh I΄m so twisted and tied and all I remember
was how hard we tried only to surrender
And when it΄s over I΄know how it΄s gonna be
and true love will never die no not fade away.
Ref.)
siehe oben

Ref.)
Ansd I know what I gotta do
Hey Ray what you said is trueI can΄t
stop loving you oh I can΄t stop loving you

Allô, comadres?

Alguém levou os comentários para a lavandaria?

quarta-feira, março 10, 2004

Cheiro potente (a minha inspiracao hoje anda pela Rua das Amarguras)



Morro de sono. Para espevitar-me e 'a Travessa (o contador tambem parece sonolento), aqui vai uma novidade na area do tratamento da disfuncao erectil. Nao liguem ao SPAm que recebem todos os dias, prometendo "enlarged penis" e mezinhas banha-da-cobra para uma vida sexual mais feliz!! A solucao esta' aqui, numa especie de cheirinho sintectico, administrado por via (intra-)nasal, que parece aumentar o fluxo de sangue peniano. Parece que ja' estou a ver uma nova gama de perfumes masculinos nas prateleiras das perfumarias: "- Desculpe, continua esgotado o PT-141 da C. Klein? Pode-me encomendar um frasco de litro, por favor?"

"A stimulating new scent?

cGMP simultaneously increases the inflow of blood to and decreases the outflow of blood from the penis, making this molecule a target of erectile dysfunction (ED) research. Many drugs that treat ED, including sildenafil, work by preventing cGMP catabolism. In this month's International Journal of Impotence Research: The Journal of Sexual Medicine, Diamond et al. publish a study suggesting the appearance of a cGMP-related, intranasally administered ED therapy on the horizon. Their research demonstrates PT-141, a synthetic analog of α melanocyte stimulating hormone (α-MSH), results in a significant increase in erectile response in both healthy males and ED sufferers as compared to placebo. Furthermore, the compound was safely administered and well-tolerated by test subjects.


original article
Double-blind, placebo-controlled evaluation of the safety, pharmacokinetic properties and pharmacodynamic effects of intranasal PT-141, a melanocortin receptor agonist, in healthy males and patients with mild-to-moderate erectile dysfunction L. E. DIAMOND, D. C. EARLE, R. C. ROSEN, M. S. WILLETT & P. B. MOLINOFF
International Journal of Impotence Research 16, 51-59; January 2004 "


terça-feira, março 09, 2004

provérbio dos meus dias

"uma psicóloga sem lenços é como um jardim sem flores"

A Tangerina

Ainda os Oscares? So' 3 coisinhas.



1. Em 02/03/2004, escrevia no Pastilhas: "Mental note 2: depois de amanha, falar do "Elephant" do Gus Van Sant, em vez do "Bowling for Colombine" do M.& M.. "Depois de amanha" pode ser qualquer dia que se siga ao amanha, certo? Portanto, uma semana depois do tal "amanha", ca' vai:

Elephant....Um dia de escola como os outros...except that it's not...Food for thought...tive uma insonia a pensar por que raio o Gus (Van Sant) teria chamado elefante ao filme. Agora ja' sei:

"(...)Borrowing his title and conception from Alan Clarke's 1989 teledrama depicting a series of Irish punishment killings without commentary or context, van Sant offers an uncluttered account of the problems of adolescence. While his camera always ambles along behind his subjects, he never penetrates beneath their surfaces, preferring to keep a cool distance, occasionally eavesdropping on snatches of their dialogue (some of which was improvised by his brilliant cast of unknowns). This dispassionate approach continues in the final scenes of violence, which are banalised rather than sensationalised, focussing on the killers' faces rather than deeds. Such detachment both matches the killers' own blank disengagement, but also offers viewers a critical distance from events which invites thoughtful reflection rather than kneejerk reaction."

Agora so' me resta saber por que e' que o tal do Alan Clarke chamou elefante ao seu teledrama. Outra insonia.

2. Ja' agora, ainda a proposito dos Oscares, um copy/paste do meu post no Pastilhas:

"Pronto, acabei por nao os ver!

Ou acabei por nao ve-los? Nao vi o compacto dos òscares, por motivos de força maior...estive a dar explicaçoes de Portugues, embora nao tenha carteira profissional nem pertença à Ordem. Batukada (ela tem carteira profissional), entrega-me às autoridades, se quiseres! Mas eu posso sempre fugir para o Brasil..

Agora a sèrio, Batu, falemos do Passado Recente. Diz-se "acabei de ME levantar" ou "acabei de levantar-ME", ou o acordo ortogràfico luso-brasileiro deixa-nos à vontade para darmos as calinadas que quisermos? Hum? [Obrigada, Batu, um grande bem haja! Agora sei que tanto faz, que se pode dizer das duas maneiras no caso do "infinitivo solto". Sao estas coisas que me dao tranquilidade e me deixam dormir um soninho descansado!]

Agora, ainda mais a sèrio. Nao vi os òscares, sou uma marginal. Mas vi num telejornal a decadencia estilistica do meu Johnny D. [Depp]. Alguèm que fale com o rapaz, digam que vao da minha parte. Digam-lhe que ele merece mais, algo que condiga (??) com a sua bela estrutura òssea, nomeadamente com o seu anguloso maxilar inferior e o seu poderoso ramo montante. Nao vi o Benicio [del Toro], mas acho que foi pelo melhor. Como te disse, papoila, ele sò tem piada em movimento no ècran. Vem cà para fora e "metamorfeia-se" (neologismo que se refere ao acto da metamorfose ser por vezes feia, tipo sindroma do patinho feio, sò que ao contràrio).

Well, there's always the sun, nao è verdade? E a Trafaria tambèm, ao que parece. Nao è todos os dias que se encontra um pantano sem malaria perto de nòs, transgènico ele que seja! But then again, hà sempre o quinino da àgua tònica, com as suas belas propriedades medicinais (ou serà o gin?).

Nao desespero.

P.S. Mental note 1: depois de amanha, surpreender-me pelo facto de a academia mais conservadora e prò-americana do mundo (gosto sempre de exagerar)ter ofertado um òscar ao Michael Moore (supostamente um enfant terrible); nao dizer que foi manobra politica; dizer que, se calhar, atè hà liberdade de expressao nas terras do Uncle Sam.
Mental note 2: depois de amanha, falar do "Elephant" do Gus Van Sant, em vez do "Bowling for Colombine" do M.& M.
Mental note 3: ainda hoje, afogar esta insonia em Chianti, Lacrima, ou qualquer vinhaça do Impèrio Romano.
Mental note 4: deixar de ocupar (colonizar? invadir?) toda a primeira pàgina com patetices longas.

» Maria_das_Flores, 2004-03-02 (11:32)
"

3. Nao percam, num computador perto de si (com ligacao 'a Internet, obviamente), a primeira edicao dos Bloscares, transmitidos directamente do Origem do Amor (lado a lado com a passarada, a 01/04/2004:

segunda-feira, março 08, 2004

Auto consciência súbita

O que dizer quando avalio os dias como bons ou maus para secar roupa?


Ana Almeida " Estendal"

sábado, março 06, 2004

Jacob Levy Moreno

"Um encontro de dois: olhos nos olhos, face a face.
E quando estiveres perto, arrancar-te-ei os olhos
e colocá-los-ei no lugar dos meus;
E arrancarei meus olhos
para colocá-los no lugar dos teus;
Então ver-te-ei com os teus olhos
E tu ver-me-ás com os meus."




Penso que com isto consegui resumir o que é o Psicodrama.

A Tangerina

sexta-feira, março 05, 2004

Dizem os "Ena Pá 2000"

"A cor do meu cabelo muda todas as semanas..."
(e não é que é verdade?!?)

A Tangerina
NOTA: Obrigada Morphine por me recordares os tempos idos do nosso liceu!

Conversa de autocarro

Data: Quinta feira
Hora: 19.20h
Local: RN 201 Via Alameda
Assunto: Muppi anunciando nova marca de roupa interior masculina denominada de alternativa, onde figura homem vestido com peças da dita marca, revelando grandes "qualidades". As peças eram constítuidas por boxer justo e camisola interior de gola junto ao pescoço e manga à cava, em cor preta.
Sujeitos: Rapaz e rapariga universitários de primeiros anos


Ele: Aiiiii... olha lá aquele anúncio apaneleirado.
Ela: Apaneleirado? Porquê?
Ele: Xiça...só os paneleiros é que vão olhar para aquele gajo e com sorte ainda "batem" uma à conta...
Ela: És mesmo porco!!!! Então e os anúncios de lingerie? Também são anúncios lésbicos e para lésbicas?
Ele: Isso é diferente. Esses anúncios mostram gajas com lingerie que vocês vestem mesmo. Agora aquilo? Achas que algum homem que não seja paneleiro veste aquilo?
Ela: Tu não usas boxers é?
Ele: Claro que uso. Mas não daqueles.
Ela: Então todos aqueles que usem boxers daqueles são paneleiros?
Ele: Parva! Não disse isso...Mas tu viste bem a pose do gajo?
Ela: Que tem? Eu achei o gajo giro e a roupa sexy...
Ele: Claro. Mas toda a gente sabe que as miúdas adoram um paneleiro que se vista bem.


( A linguagem e o conteúdo deste post não pretendem ser ofensivos. São apenas a transcrição, não autorizada, daquilo que me pareceu ser o tipo de lugares comuns que ainda estão muito em voga nas camadas mais jovens da nossa sociedade.)

quinta-feira, março 04, 2004

sms

Queria aos poucos sentir o meu corpo definar no prazer que o teu corpo me dá.


A Tangerina

Festivais de San Remo e afins

O que me faz dormir em frente à tv (quase tudo, mas...), se o sofà nao for muito desconfortàvel:
- cricket
- rugby (ainda me rio no inicio, mas depois è suporifero)
- basebol
- formula 1 e qualquer outra corrida com veiculos motorizados de 2 ou 4 rodas (se puser no mute, claro està)
- o Festival de San Remo (do qual sò os italianos ouviram falar, embora pensem que todo o mundo civilizado o aprecia)
- futebol (a primeira meia hora è porreira, sobretudo se as equipas em jogo nao forem da paròquia, a segunda meia-hora è knock out para mim, mas là acordo no final da terceira meia-hora para saber o resultado, que sò realmente importante se envolver a derrota de alguma equipa inglesa, esses bàrbaros...)
- concursos, reality shows e outras fantochadas(mas gosto do "Changing Rooms" e do "What Not to Dress", talvez por os apresentadores serem uns sarcàasticos horrorosos, o que me mantèm desperta)
- etc.

Enfim, quase tudo, nao è verdade?

De qualquer forma, a ver se mantenho relativamente desperta para o jogo Inter-Benfica,para os oitavos de final da Copa UEFA. Deu-me a ideia que os milaneses "interistas" jà estao a cantar vitòria. Parvos. Fica-lhes mal. A titas que traduza:

"04 mar 14:32
Roma e Inter, mezzi sorrisi

Non sono andati male i due sorteggi delle italiane a Nyon per gli ottavi di Coppa Uefa. La Roma se la vedrà contro il Villareal, mentre l'Inter giocherà con il Benfica. Evitate le big Bracellona, Liverpool, Valencia. Ma gia' ai quarti, i giochi si complicano e il sorriso potrebbe sparire...

Per l'Inter, ostacolo portoghese, con il Benfica che farà visita ai nerazzurri a San Siro per poi giocarsi le carte di qualificazione davanti al proprio pubblico.
Anche per i nerazzurri, una gara alla loro portata anche se bisogna ricordare che Zaccheroni dovrà fare a meno di uomini importanti nel match di andata dove dovrà cercare di fare risultato per evitare spiacevoli sorprese
." (in http://sport.libero.it/calcio/)

Post post: Encontro-me numa situaçao internètica precària, por isso tenho de postar ràapido, com tudo o que està inerente à rapidez forçada...boa desculpa para escrever malzinho sem sentir muitas culpas.

Em relação à proposta da Charlotte

Admito que esta, tal como outras questões importantes e moralmente controversas, começam sempre viciadas à partida. Existem sempre acontecimentos pertubadores e hediondos ( como este caso, e outros, que nos faz considerar a pena de morte), que nos levam a desconstruir o nosso sistema de valores arrumadinho, correcto e civilizado. Talvez porque os actos cometidos não o sejam por pessoas "arrumadinhas", correctas e muito menos civilizadas. Será a morte do " monstro" um bálsamo, um consolo, para as vitimas e familiares das vítimas? Falemos de forma nua e crua. A morte do agressor é um acto de vingança que se julga apaziguador no sentido de termos a certeza de que actos como aqueles não mais serão cometidos pelo mesmo sujeito e que pelo menos se deu castigo igual ao da vítima. Lei de Talião " Olho por olho, dente por dente".
É uma questão perturbadora pensarmos que dentro de nós, existem sentimentos de morte que nos fazem iguaizinhos a esses " monstros" que condenamos. Confesso aqui, que convivo de forma pouco pacífica com um sentimento muito pior. O de inflingir dor perpétua. Esse para mim era o castigo perfeito.
A Charlotte questiona se a vida de uma criança vale mais do que a de um adulto. Quanto a mim não vale. Mas a questão aqui coloca-se ao nível do equílibrio de forças. E não estou a falar de força física. Estou a falar de inocência. O agressor, mata a vítima duas vezes. Mata a confiança que a criança saudável tem no adulto, e mata-a fisicamente. Sendo o caso violação, sendo homicidio. E depois ainda mata uma terceira vez. Mata a liberdade e a inocência de todas as outras crianças que deixam de ser livres e de olhar para o Mundo como para um sítio que as protege. Isto, muitas vezes quando elas ainda não têm idade para ter essa percepção de maldade e desconfiança. É por isso que o acto de matar este tipo de criminoso, para mim, não é redentor. É um momento que não apaga, a consequência do acto por ele produzido. Os vivos continuam a sofrer muitas vezes toda a vida ( os que têm sorte, ou talvez não). O criminoso acho que já nem sofre. Parece que os sistemas de aplicação de pena de morte são indolores. É por isso que defendo a tortura. Sei que não é uma opção "civilizada". Sei que é uma solução brutal. Mas não me importo. É o que sinto quando sou exposta aos meus sentimentos, confrontados com estas barbaridades hediondas.

Adivinha do dia!

O que têm em comum:
-malmequeres?
-a Lusoponte?
-e o significado dos palavrões?

quarta-feira, março 03, 2004

Quando...

...começamos a ir aos funerais dos amigos, pensamos ainda mais na vida!

Bibis especiais para ti Sílvia Enoque!

terça-feira, março 02, 2004

O mistério do bilhete de identidade ( continuação)

É aqui que entra o herói desta história, O Prof. Jorge Picado, matemático da Universidade de Coimbra. A sua curiosidade por esta questão levou-o a pedir os números de BI a algumas dezenas de colegas. Introduziu-os num pequeno programa Pascal que fazia a busca de vários algoritmos num sábado de manhã e foi para casa.
Ao chegar ao seu gabinete na segunda feira de manhã, qual não foi o seu espanto ao verificar que não havia nenhum algoritmo que funcionasse.
Intrigado com este surpeendente resultado, O Prof. Picado teve então uma ideia luminosa. Constantando que o dígito de controlo do seu BI era 0, retirou o número do BI da lista e pôs o programa a correr. Bingo: em 5 minutos tinha a resposta. O algoritmos de detecção de erros do Ministério da Justiça é igual ao do ISBN ( International Standard Book Number), sendo a ponderação feita pela ordem inversa: o dígito de controlo tem peso 1, o dígito mais à direita do número do BI tem peso 2, o seguinte peso3, etc. Faça-se a soma dos números do nosso BI e o resultado terá de ser múltiplo de 11. Nesta altura, cerca de 1/11 dos que lêm este texto e cerca de 50% daqueles cujo dígito de controlo é 0 estarão a pensar que estou a enganá-los. È que afinal, fizeram as contas e obtiveram um número que não é divisivel por 11. Pelo contrário: é múltiplo de 11 mais 1! E afinal porque teve o Prof. Picado que retirar o seu número da lista para descobrir o algoritmo de detecção? A resposta a estas perguntas é apenas uma e completamente patética. No ISBN ( e no BI) o dígito de controlo tem de estar entre 0 e 10 para que se possa assegurar resto 0 ao dividir por 11. È essa a razão de ser do caracter alfanúmerico X, que vale 10, no dígito de controlo do ISBN. A escolha do caracter X para representar 10 foi feito pelas razões mais prosaicas: X representa 10 no sistema de numeração romano. Ora, muito provavelmente, alguma mente burocrática da Direcção Geral de Registos e Notariado ou do Ministério da Justiça deve ter achado muito desagradável que alguém visse "X" escrito à frente do seu número de BI, enquanto outras pessoas tinham apenas um algarismo. Talvez isso fosse considerado politicamente incorrecto. Para abreviar: alguém responsável, na sua reconfortante ignorância matemática sobre códigos, teve a brilhante ideia de substituir o dígito de controlo X, quando ocorresse, por 0. Ou seja, quando 0 ocorre como dígito de controlo, pode ter na realidade dois valores: 0 ou 10! Ou seja, em metade dos casos, em que ocorre 0 ( como ocorre no caso do Prof. Picado) esse dígito está errado. Ou seja o Arquivo de Identificação emite um BI cujo o número, se controlado pelo seu algoritmo, está errado. E esta situação ridicula afecta 9% dos portugueses. A ignorância pode ficar muito cara. Neste caso, custou a inoperância do sistema de detecção de erros que se pretendia implementar. Alguma vez lhe exiram o dígito de controlo? E repare-se que teria sido muito fácil não cometer esta barbaridade: bastava adoptar como dígito de controlo, digamos, as primeiras letras do alfabeto...

Obra: O mistério do bilhete de identidade e outras histórias
Autor: Jorge Buescu

segunda-feira, março 01, 2004

O mistério do bilhete de identidade

O mistério do bilhete de identidade

Com grande probabilidade, já terão assistido, no meio de um jantar com amigos, à seguinte discussão. A certa altura alguém se pronuncia sobre o algarismo suplementar que os bilhetes de identidade passaram a ter de há uns anos para cá mais ou menos nos seguintes termos: " O algarismo suplementar que se segue ao número do BI indica o número de pessoas em Portugal que têm um nome exactamente igual ao do portador do BI."
Quando confrontado com o absurdo de tal afirmação (Nota pessoal: Só em Lisboa existem cerca de 100 pessoas com o nome exactamente igual ao do meu pai, e o algarismo no BI dele é 2), talvez o interlocutor diga algo do género:" Mas fui informado através de fonte seguríssima" ou então talvez prefira mudar de assunto. Uma coisa é certa: não vai mudar de opinião e na próxima vez lá estará a repetir a mesma afirmação, que depois será repetida por novos agentes acríticos, e assim sucessivamente. Assistimos assim, à geração e propagação oral de uma lenda urbana genuinamente portuguesa, com certeza.
Afinal de contas, o que representa o misterioso algarismo suplementar que se segue ao número do nosso BI? Em primeiro lugar, não representa o número de pessoas com o mesmo nome, ou o número de multas de estacionamento que o portador apanhou, ou qualquer patética e disparatada hipótese deste tipo.
O algarismo suplementar é ( ou seria, se as autoridades portuguesas não tivessem cometido um ridículo erro matemático!) apenas um algarismo de controlo que detecta se o número do BI está correctamente escrito ou não.
Esta história começa nos anos 50, com o nascimento simultâneo, por uma lado, da teoria de códigos, baseada na teoria da informação de Shannon ( 1948), e, por outro, da cada vez maior necessidade de tratamento e transmissão em massa de dados de identificação numéricos. Suponha que éramos caixa num supermercado na era pré-leitores ópticos, ou que trabalha numa agência de viagens onde tem de emitir centenas de bolhetes de avião por dia. Em qualquer destes casos tem de digitar por cada item em questão ( pacote de manteiga, bilhete de avião,...) um longo número, talvez com 10 algarismos, que identifica o produto em questão. E tem de fazê-lo depressa.
Os seres humanos lidam claramente mal com problemas deste tipo.Escrever diariamente centenas de números com 10 algarismos sem qualquer padrão aparente leva inevitavelmente ( uma interrupção, uma piada do colega do lado) a que o operador, mais tarde ou mais cedo se engane a digitar um dos números. E as consequência podem ser bastantes desagradáveis: 50 euros por um pacote de manteiga, ou um bilhete de avão para a Sibéria em vez de para o Rio de Janeiro. Os custos para corrigir estes erros a posteriori, podem, evidentemente, ser muito elevados. Coloca-se então o seguinte problema: quando se lida sistematicamente com grandes quantidades de números compridos, em qua mais cedo ou mais tarde, se verificarão erros, há que identificar quais são os erros mais frequentes e encontrar um forma automática de detectar logo se o número escrito integra erros ou não.
A resposta à primeira pergunta é do domínio da estatística; sabe-se hoje que mais de 90% dos erros ocorridos na transmissão de dados numéricos são de dois tipos: erros singulares ( alteração de um único algarismo) ou transposições ( troca de pares de algarismos adjacentes).
O segundo passo é conceber um logaritmo que detecte, com 100% de eficiência, a presença ou ausência deste erros. Se o conseguirmos teremos um mecanismo de detecção de erros com mais de 90% de eficiência.
E é aqui que entra a teoria dos códigos. Existem muitos algoritmos de detecção de erros, com aplicação tecnológica num número infindável de indústrias, assente na ideia básica da aritmética modular, proveniente da teoria dos números. A ideia é a seguinte: ao número básico acrescenta-se um algarismo, o dígito de controlo. Realizando uma operação adequada sobre o número original, devemos obter o algarismo de controlo. A ideia de implementar sistemas de identificação com dígitos detectores de erros encontra hoje aplicações quase infindáveis na nossa sociedade ( cartões de crédito, NIB, Cheques, Via Verde, códigos de barras,...).
Autor: Jorge Buescu
Obra: O Misterio do Bilhete de Identidade e outras histórias.

Amanhã será concluida esta fascinante saga.
Até lá.